07/05/2007

Bom... para o início da semana!

Encontrei um texto muito legal, de autoria de Arthur da Távola ( o nome me encanta, não é, meu afilhadão?) e gostaria de compartilhar! Desejos de uma ótima semana!

SOU EU QUE FAÇO VOCÊ SOFRER
OU É VOCÊ QUE SOFRE POR MIM?
" É você que sofre por minha causa ou é você que sofre por sua própria causa?"

A resposta demandará muito tempo e sofrimento e, em cada caso, será diferente.
Mas, se encontrada, melhorará qualquer relação.
Ou constatará o seu término.
Vamos tirar fora a possibilidade "é você que sofre por sua própria causa" embora isto exista em muitos casos.
A pergunta ficará então mais simples: "Sou eu que faço você sofrer ou é você que sofre por minha causa?".
Ou então "É você que me faz sofrer ou sou eu que sofro por sua causa?". Dá no mesmo. Depende de quem diga.
Se sou eu que faço você sofrer, então são meus os atos, atitudes e ações as geradoras do seu sofrimento.
Neste caso, ou mudo, ou continuarei provocando sofrimentos.
Tudo passará a ser uma questão de eu conseguir mudar.
Fazer cessar aqueles atos, ações, atitudes, comportamentos adotados por egoísmo, sadismo, por incapacidade de perceber as fronteiras, por vingança, raiva ou neurose.
Mas se é você que sofre por minha causa, então tudo é diferente, embora possa parecer igual.
Os meus atos, atitudes, reações, comportamentos, mesmo sem qualquer intenção, ofendem, fazem mal, danificam, fazem sofrer.
Por que? Porque é que você sofre por minha causa. O sofrimento não é causado por mim. Ele está em você. Mesmo fazendo tudo para você não sofrer, pelo simples fato de ser como sou, você sofre.
É claro que na vida as coisas não são assim separadinhas, qual embrulhos de supermercado.
Na vida e na relação de amor, as duas faces dessa realidade misturam-se, interpenetram-se, atrapalham-se.
Num par amoroso, há atitudes conscientes, e sobretudo inconscientes, tomadas para fazer o outro sofrer. Há também uma tendência a sofrer por causa do parceiro, independente do que ele faça.
Na relação humana há territórios nos quais nunca fica claro se uma pessoa sofre porque a outra a faz sofrer ou se se sofre por causa da outra. Mesmo a outra nada fazendo, pelo simples fato dela ser como é, produz sofrimentos, rejeições, irritações, raivas, que se misturam ao amor existente, numa confusão dos diabos.
O habitual é a pessoa culpar a outra pelo próprio sofrimento.
Ou, então pode ocorrer exatamente o contrário em pessoas masoquistas: culparem-se pelo sofrimento que o outro está provocando com seus atos, palavras e comportamentos. O outro machuca, oprime, ofende, e o masoquista ainda pensa que a culpa é sua...
Como não posso resolver esta complexa questão, proponho, como sugestão, uma troca. Sim, troca de palavras.
Onde se lê sofrer leia-se feliçar ( por que será que felicidade não tem verbo?).
A pergunta então ficaria: "Sou eu que faço você feliz, ou é você que feliça por mim?".
Fica inventado o verbo feliçar ( eu feliço, tu feliças, ele feliça, nós feliçamos, vós feliçais, eles feliçam ).
Então, fica assim: "Sou eu que faço você feliz ou é você que feliça por minha causa?.
Curiosa e masoquista a vida. Sofrer é complicado. Feliçar é mais simples ( ou deveria ser ). Então por que sofrer?

Um comentário:

Lu Geiger disse...

Artur da Távola? Logo quando estou lendo as "Brumas de Avalon"... e um dia depois de assistir a "O Segredo"... hum, isso é papo pro Jung se deleitar! Mas que a questão é mesmo mui complexa, isso é...
Beijos, amiga, e boa sorte na procura!